sábado, 22 de agosto de 2009

Respondam...

Bom gente, vou dar uma parada na história da Mayra essa semana, vou hoje colocar uma postagem curta.
Por favor me respondam...
Como se explica as insatisfações do Coração?

7 comentários:

Desi disse...

ele está te dando a resposta, não se explica!

ficou vaga essa tua pergunta, seria algo do tipo, não encontro a pessoa certa e blá blá blá?

FERNANDA disse...

não se explica apenas tentamos viver de uma maneira com que venhamos estar satisfeito com o que rtemos com o que sentimos.
para curar um amor
outro
nada melhor

Guh disse...

-

simples, não se explica :x

Glaukitos disse...

realmente não se explica..rsrs


Ah ,agora voltei mesmo e tem selo pra vc lá ,segue o link:

http://glaukitos.blogspot.com/2009/09/selo-seu-blog-e-10.html

Glaukitos disse...

Ah, abraços e ótimo fds
=]

A Flor do Sul عبد الحكيم زهرة الجنوب disse...

E eu lá sei, por acaso? E, ainda que eu soubesse, talvez a resposta fosse do meu coração, e não de todos os outros... ou melhor, não totalmente de todos os outros - inclusive o teu.
Porque todos no fundo somos iguais, porém não levamos vidas muito semelhantes, coisa que influi na maneira como vemos as coisas, no mais das vezes nos distanciando, quando era para nos dar a compreesão...

Ouvi dizer que tem um provérbio que diz: "O coração é uma criança, quer tudo o que vê." Não digo que isso explica tudo, mas acho que ajuda. Porque quando criamos muita expectativa, também vamos nos desapontar muito, pois a realidadequase sempre é menor que o sonho.

Chorar ajuda, ou até explodir de vez em quando ajuda, porque reprimir-se é antinatural e sufoca o coração. O problema é que causar infelicidade aos demais, ainda que mínima, e ainda que eles a possam merecer pelo que fizeram conosco, isso não deixa o coração nem um pouco tranquilo. E o desapego às coisas do mundo (a todas as coisas que desejamos, sejam coisas ou pessoas), é bonito de se pregar, mas tão difícil de se aplicar na prática, que também parece que é algo antinatural. Talvez o ideal seria aprender a "conviver" com os próprios desejos, sem se ferir com a presença das decepções, que são lhe são vizinhas constantes, que mais cedo ou mais tarde lhe fazem uma vizitinha em casa...

Sandokan disse...

Necessitamos de amor. Ele dá sentido às nossas vidas. É o combustível que nos anima. Sem ele é difícil suportar o destino, ou amar a vida.
O amor é-nos intrínseco, e, de acordo com certa visão científica, ele é o herdeiro de um certo sonho bacteriano: o sonho remoto de qualquer bactéria em se unir e fundir com outra.
Alguns pensadores, sobretudo modernos e contemporâneas defendem que o homem não pode prescindir da ilusão. Ela faz parte da natureza humana, e é uma forma de fugirmos à vida real, e ao sofrimento e falta de sentido presente no fundo da nossa existência. A vida passa pelo sonho. O homem não suporta viver constantemente a verdadeira realidade.
Abençoado seja o que inventou o sono, a manta que cobre todos os pensamentos humanos, o alimento que satisfaz a fome, a bebida que apazigua a sede, o fogo que aquece o frio, o frio que modera o calor, e, finalmente, a moeda corrente que compra todas as coisas, e a balança e os pesos que igualizam o pastor e o rei, o ignorante e o sábio.
Devemos agradecer às ilusões. E aceitá-las sem queixumes, se porventura colidem com a realidade e se desfazem em pedaços. Elas são, afinal, uma forma de dar sentido à vida.